5 motivos pelos quais o novo ‘Aladdin’ deveria se chamar ‘Jasmine’ (com spoilers leves)

Aladdin é a nova versão live-action (com atores reais) de uma animação clássica Disney, seguindo o sucesso de Cinderella (2015), Mogli (2016) e A Bela e a Fera (2017). O filme faz como seus antecessores e torna real personagens e cenários incríveis, seguindo à risca a história que fez tanto sucesso como desenho animado, incluindo suas canções inesquecíveis.

Mas há detalhes em “Aladdin” que vão além da animação. Um dos mais legais é a celebração de uma cultura não-ocidental, que não estamos habituados a ver nos cinemas. O novo filme é ambientado no oriente médio, foi rodado na Jordânia e tem cenas, cores e números musicais inspirados nas produções de Bollywood, o cinema feito na Índia que não chega às nossas telas por conta do nosso habito de consumir quase exclusivamente filmes vindos dos EUA e da Europa.

LEIA MAIS: GLORIA GROOVE SERÁ A DUBLADORA DO ALADDIN NO LIVE-ACTION

Além dos cenários e ambientação das cenas, o oriente médio está presente nos atores, todos com ascendência dessa região do mundo e da Ásia. Mena Massoud, o Aladdin, nasceu no Egito e Naomi Scott, a Jasmine, tem ascendência indiana, por exemplo. Ter um elenco inteiro com características físicas que remetem a uma etnia pouco vista como protagonista em grandes produções dá ao filme uma identidade única.

LEIA MAIS:
‘ALADDIN’ GANHA COLEÇÃO DE POP! FUNKO, CAMISETAS E ACESSÓRIOS

LARISSA MANOELA MOSTRA EM DETALHES A PREMIER MUNDIAL DE ‘ALADDIN’

A adaptação da obra original, lançada em 1992, preserva os bons momentos enquanto dá novas características aos personagens. A princesa Jasmine é a mais beneficiada com as atualizações, ganhando mais espaço na trama e uma veia feminista poderosa. Naomi Scott, que a interpreta, se refere à personagem como “reimaginada com um toque moderno”. A Jasmine do desenho já era super empoderada e não queria se casar por obrigação, queria ser livre e conhecer o mundo. No live action ela vai além e nos faz pensar que o filme deveria se chamar “Jasmine”. Veja cinco motivos para isso:

Girl power

Jasmine está poderosíssima! Ela ainda é a princesa presa no palácio que precisa escolher um marido e não quer nada disso, mas tem novos motivos: A gata é super estudiosa, ama seu povo e quer ser sultana e governar Agrabah!

Diz o que pensa

A princesa tem muito a dizer e fala tudo! Isso rende sérios atritos entre ela e Jafar, o conselheiro do Sultão que, como no desenho, quer roubar o trono. No filme, Jafar pretende expandir o reino conquistando outros reinos e Jasmine é contra!

Jasmine com Aladdin e o Gênio no desenho animado de 1992

LEIA MAIS: ZAYN E ZHAVIA GRAVAM JUNTOS PARA O NOVO ‘ALADDIN’

Tem sua própria música

Todas as músicas do live action são da animação, exceto Speechless, que Jasmine canta quando sente que estão tentando silenciá-la. Na canção ela diz que não vai deixar isso acontecer!

Jasmine no musical inspirado na animação, que está em cartaz na Broadway

Talentosa

A atriz Naomi Scott é uma britânica de 26 anos que ficou conhecida ao interpretar a Ranger Rosa no remake de Power Rangers de 2017, que era cheio de cenas de ação. Ainda esse ano ela será uma das agentes secretas de As Panteras. Muito versátil.

Participa do desfecho do filme

No desenho, Jasmine é presa por Jafar em uma ampulheta e Aladdin tem que resolver toda a confusão da história. No filme Jasmine enfrenta o vilão e briga para proteger seu pai e seus amigos.

LEIA MAIS: COMPARE OS PERSONAGENS DE ‘ALADDIN’ NO LIVE-ACTION E NA ANIMAÇÃO

 

E aí, gostaram?

Comenta com a gente: